domingo, 31 de julho de 2011

um pequeno conto

Está vendo aquela moça com olhar triste e perdido?
Seus lábios estão cerrados, respira leve e suavemente, mas vez ou outra inspira profundamente como se o ar perfurasse seus pulmões e atingisse sua alma...
Seus olhos que outrora emitiam um brilho intenso, hoje  são vazios, opacos...
Sua boca que antes emitia as mais belas canções, hoje não diz mais que palavras.
A moça, que antes tinha o andar leve, seus pés mal tocava o chão... Hoje carrega em si um peso enorme dentro do peito, como se seu coração estivesse submerso em lágrimas q não secaram.
Perdeu-se de si.
Na verdade, ela não é mais dela, mas sim dos que a amam.
Não vive pra ela, mas para os que precisam dela, se não fossem essas pessoas, qual motivo teria para continuar vivendo?
Carrega em si muitas cicatrizes... Momentos felizes, tristes, dolorosos...
Muitas pessoas passaram por sua vida, e muitas foram embora deixando um vazio em seu peito.
Por isso ela cuida das mais importantes como se fossem cristais, que podem partir a qualquer momento. Muitas vezes abre mão da sua felicidade para fazê-las felizes.
Esta moça é diferente, e, portanto muitos não a compreendem, mas isso nunca a incomodou.
Agora a moça está sem chão, cansada.
Algumas vezes sente que sua vida será curta, que não chegará a ver seus netos. Não se assusta com isso, mas às vezes sente medo e ora pensa que talvez seja melhor assim, ora gostaria que não fosse verdade.
Mas a resposta a moça não tem.
Tenta fortalecer-se, sobreviver sozinha mas é difícil...
Por enquanto só lhe resta seu olhar e um grão de esperança que se apaga um pouco mais, dia após dia...
uma lágrima rola em sua face posando suavemente sobre seus lábios e ela respira mais uma vez.


Andréia M.M.Lopes

2 comentários:

gui disse...

Viver é um exercício constante de coragem e enfrentamento de si mesmo é a maior prova disto
é o que eu penso...

Renato Zuza disse...

Parabéns, Andréia! Gostei do texto.

Assim que postar mais, me avise.

Sempre passarei por aqui.

Bj.